PROMOÇÃO DA SAÚDE: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS ENFERMEIROS DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

João Paulo Xavier Silva, Ana Paula Ribeiro de Castro, Crisângela Santos de Melo, Raphaely de Sousa Feitosa, Ariadne Gomes Patrício Sampaio, Ana Maria Machado Borges

Resumo


O Sistema Único de Saúde é potencial no reconhecimento das necessidades populacionais em suas múltiplas especificidades, principalmente por meio da Estratégia Saúde da Família. Nesse contexto, o enfermeiro é figura de importante atuação na promoção da saúde, pois atua de maneira dinâmica e integrada em todas as atividades desenvolvidas nas Unidades Básicas de Saúde. O presente estudo tem como objetivo avaliar as concepções e práticas dos enfermeiros da Estratégia Saúde da Família no que concerne à Promoção da Saúde. Trata-se de uma pesquisa do tipo qualitativa com abordagem descritiva e cunho exploratório. Participaram treze enfermeiros e a coleta de dados foi realizada por meio de uma entrevista semiestruturada. A análise dos dados esteve pautada na análise de conteúdo de acordo com Bardin. O estudo obteve aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa para sua realização. Emergiram quatro categorias de acordo com os núcleos de sentido identificados nas falas dos enfermeiros, estas serviram para agrupar os relatos que apresentaram pressupostos temáticos semelhantes. Foram estes: O conhecimento dos enfermeiros acerca da promoção da saúde; A formação dos enfermeiros conduzida para a promoção da saúde; As ações de promoção da saúde desenvolvidas pelos enfermeiros; e O empoderamento e a coparticipação dos usuários como estratégia de promoção da saúde. Os discursos, por mais elaborados que sejam, revelam concepções fragilizadas, o que pode interferir negativamente na prática profissional. Evidenciam-se ainda atividades de caráter individual, de cunho curativista, sendo insuficientes e incompatíveis com a práxis da promoção da saúde em suas amplas dimensões.


Referências


Pinheiro FTS, Tavares NBF, Araújo AF, Silva JPX. Reflexões sobre o Sistema Único de Saúde: da gênese à crise contemporânea. Rev Sanare. 2018; 17(2): 82-90.

Ferreira SRS, Périco LAD, Dias VRGF. The complexity of the work of nurses in Primary Health Care. Rev. Bras. Enferm. 2018; 71(1): 752-757. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0471

Collière MF. Cuidar... A primeira arte da vida. Loures: Lusociência, 2013.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.

Faria MGA, Acioli S, Gallasch CH. Perfil de enfermeiros fluminenses da Estratégia Saúde da Família participantes de um curso de especialização. Enferm. Foco. 2016; (1): 52-55.

Áurea CPC, Araújo EF, Ribeiro AC, Pedrosa ICF. Sociodemographic and professional profile of primary health care nurses in Cuiabá - Mato Grosso. Rev. Elet. Enferm. 2012; 14(1): 171-180. DOI: 10.1590/S1414-81452010000200022.

Fátima ROL. A identidade Profissional da Enfermeira na Estratégia Saúde da Família. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2013.

Almeida MA, Bittar CML. Concepções sobre promoção da saúde por enfermeiros de uma cidade do interior de São Paulo. Brasilian Journal of Research. 2015; 17(2): 45-51. DOI: https://doi.org/10.21722/rbps.v17i2.13187

Czeresnia DF, Freitas CM, organizadores. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003. p.39-53.

Pinheiro DCM, Scabar TG, Maeda ST, Fracolli LA, Pellicioni MCF, Chiesa AM. Competências em promoção da saúde: desafios da formação. Saúde Soc. 2015; 24(1): 180-188. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902015000100014

Roecker S, Budó MLD, Marcon SS. Trabalho educativo do enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: dificuldades e perspectivas de mudanças. Rev. Esc. Enferm. 2012 46(3): 641-649. DOI: 10.1590/S0080-62342012000300016.

Tavares MFL, Rosa MR, Bittar, CML, Pettersen CB, Andrade M. A promoção da saúde no ensino profissional: desafios na saúde e a necessidade de alcançar outros setores. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(6):1799-1808. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.07622016

Galavote HS, Zandonade E, Garcia ACP, Freitas PSS, Seidl H, Contarato PC, et al. The nurse’s work in primary health care. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2016; 20(1): 90-98. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160013

Quemelo PRV, Milani D, Bento VF, Vieira ER, Zaia JE. Literacia em saúde: tradução e validação de instrumento para pesquisa em promoção da saúde no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2017; 33(2). DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00179715.

Lima CA, Oliveira APS, Macedo BF, Dias OV, Costa SM. Relação profissional-usuário de saúde da família: perspectiva da bioética contratualista. Rev. bioét. 2014; 22(1): 152-60.

Heidemman ITSB, Wosny AM, Boehs AE. Health promotion in primary care: study based on the Paulo Freire method. Ciência & Saúde Coletiva. 2014; 19(8):3553-3559.

Durand MK, Heidemman ITSB. Promoção da autonomia da mulher na consulta de enfermagem em saúde da família. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(2):288-95.

Soares JFP, Silveira RS, Fernandes GFM, Lunardi. VL, Gonçalves NGC. Autonomia do usuário na Estratégia Saúde da Família. Rev. Bras. Enferm. 2013; 24(3): 67-69.

Lopes AAF. Cuidado e Empoderamento: a construção do sujeito responsável por sua saúde na experiência do diabete. Saúde Soc. 2015; 24(2): 486-500. DOI: http://dx.doi.org10.1590/S0104-12902015000200008

Carvalho SR. Os múltiplos sentidos da categoria "empowerment" no projeto de Promoção à Saúde. Cad. Saúde Pública 2004; 20(4): 1088-1095. DOI: 10.1590/S0102-311X2004000400024


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.